Cantinho do castigo, educa?

Eu sempre me pergunto como algumas práticas nascem e se disseminam sem que se pare para pensar se elas são ou não eficientes, eficazes ou efetivas no atingimento dos objetivos a que se propõem. Na minha opinião, dentre as práticas chamadas educativas, uma das mais perversas é a de  mandar a criança para um canto pensar. Perversa porque a criança, principalmente a da faixa etária compreendida entre os 0 e 6 anos é puro movimento. Através dele é que ela se torna humana e se constitui como ser.

O caderno Cotidiano, da Folha de São Paulo,   traz artigo da articulista e psicóloga Rosely Sayão . Confira aqui!