Autoconhecimento ferramenta de boas escolhas

O autoconhecimento significa mais poder pessoal. Você pode usar mais eficazmente um computador quando você sabe mais sobre ele, e da mesma forma, você pode mais eficazmente usar sua própria inteligência, mente e corpo quando você entendê-los melhor. Você fará melhores escolhas em sua carreira profissional quanto maior for o conhecimento que você tiver a si mesmo.

Charming young woman with dreadlocks doing twine on the floor near the mirror

Charming young woman with dreadlocks doing twine on the floor near the mirror

Comportamento automático

Há, no entanto, um grande obstáculo para aprender mais sobre nós mesmos. É a nossa tendência para racionalizar, como demonstrado ao extremo na seguinte história verídica.
Ao João, enquanto hipnotizado por seu terapeuta, foi dada a instrução para, que depois que voltasse ao estado normal, se levantar e colocar o casaco sempre que o médico tocasse o nariz. Uma vez fora do transe, ele e o médico conversaram. Durante a conversa, o médico coçou o nariz, e João imediatamente levantou-se e vestiu o casaco. O médico perguntou por quê. João disse: “Oh, eu pensei que tínhamos acabado”, e ele tirou o casaco. Poucos minutos depois, o médico tocou o nariz de novo, e João imediatamente levantou-se e vestiu o casaco. “Está ficando frio aqui”, explicou. Na terceira vez que o médico repetiu o gesto, ficou mais difícil para João explicar seu comportamento, mas ele ainda tentou.
Agora, esse comportamento automático é sempre resultado da hipnose? Acho que não. Na maioria das vezes, acreditamos que temos clareza de todas as razões que determinaram nossas ações e decisões. Como o pobre João, nos sentimos compelidos a nos explicar, e a acreditar em nossas próprias explicações. Claro, isso não é auto conhecimento, mas autoexplicação ou racionalização, e é um dos mais fortes hábitos humanos.

Autoconhecimento versus Autoexplicação

Quando uma criança joga um objeto em seu irmão e sua mãe pergunta “Por que você fez isso?” Geralmente a criança responde: “Eu não sei”, o que é verdade, mas totalmente inaceitável. Com cinco segundos para dar uma resposta, os melhores psicólogos, com certeza, não poderiam dizer qual a motivação dessa ação da criança, mas com cinco anos de idade, o comportamento é esperado. Embora ele pode não entender, ele aprende rapidamente como se explicar. Com a pressão para se explicar, não é de admirar que na idade adulta, nós raramente dizemos “eu não sei” quando perguntam sobre o nosso comportamento. Em vez disso, basta criar uma explicação. Este é um problema se quisermos conhecer nosso verdadeiro eu? Como aprendermos as verdadeiras causas de nosso comportamento se já temos nossas explicações?

Para aumentar o autoconhecimento

Eu não sei se a melhor abordagem é dizer “Eu não sei.”, Creio que é melhor utilizar “Talvez seja por causa de …” e deixar as explicações fluirem, mas não seja muito rápido em aceitar qualquer uma delas. Nem sempre é necessário explicar. Por exemplo, suponha que você está evitando uma determinada pessoa. Se você não sabe por que a está evitando, não seria melhor deixar a questão em aberto do que aceitar uma falsa explicação baseada em um hábito de auto-justificação e racionalização? Quando você deixa perguntas sem resposta, você pode um dia ter uma melhor compreensão. A resposta rápida significa apenas uma parada rápida em seu pensamento, e menos auto-conhecimento. Porque não basta dizer: “Eu não sei.” Não é melhor  aprender a aceitar a sua ignorância, e intensificar a observação de si mesmo? Não deixe que a auto-explicação fique no caminho do autoconhecimento.

Yara Prates